Elaboração do PDI: como fazer

Todo RH já deve ter ouvido sobre o Plano de Desenvolvimento Individual (PDI) – que é um plano realizado para que o colaborador se desenvolva como profissional e consiga alcançar seus objetivos a longo prazo. 

Antes de falar como fazer, é importante explicar a importância dele e o que esse planejamento pode trazer para a empresa e o colaborador. É uma ajuda de grande valia tanto para o rh, quanto para o gestor daquele departamento que consegue trabalhar de forma mais estratégica, além de ser positivo para o desempenho, a motivação e a retenção de talentos dentro da organização. 

Esse plano de desenvolvimento individual é essencial para o crescimento do profissional, resultando numa melhora da sua performance, agilidade e produtividade dentro da sua área. 

Esse desempenho acaba gerando frutos, onde o profissional tende a se sentir muito mais valorizado e importante pelos feedbacks que recebe, entendendo que a empresa está investindo nele, não só em tempo, mas também em qualificação, fazendo com que até o clima organizacional melhore.

E por fim, a taxa de rotatividade diminui muito, entendendo que montar times de alta performance, muito bem treinados e motivados, faz com que a empresa ganhe uma maior visibilidade no mercado.

Existe um momento para começar a fazer o PDI?

Se você conhece o seu colaborador, é a hora. Tendo um resumo das qualificações, entendendo o que precisa para exercer o cargo dele e como ele se comporta desde que está ali, é a hora de implementar.

Nesse momento, defina pontos de melhoria e os pontos positivos de cada colaborador, quais são suas experiências, ambições, habilidades e desempenho durante o tempo que está ali. 

Pontos fortes: todas as qualidades que contribuem para o sucesso individual e o sucesso coletivo, incluindo técnica e também comportamento. Ex: agilidade.

Pontos de melhoria: todas as limitações que este colaborador tem que podem prejudicar ele e a empresa, no âmbito individual e também coletivo, incluindo os outros colaboradores. Ex: baixo rendimento

Empresas que entendem que o sucesso da empresa depende do desempenho do colaborador acabam tendo uma estrutura melhor apoiada no desenvolvimento de quem trabalha para elas. Um profissional feliz possui o sentimento de pertencimento a empresa, tem mais comprometimento e responsabilidade porque ele é escutado, tende a usar melhor o seu potencial e se esforça muito mais pelo trabalho que desempenha, aumentando a qualidade do que é entregue. 

Quanto mais completo e menos genérico esse documento for, maiores são as chances desse PDI ser bem feito e estruturado.

E como é feito um PDI?

Comece analisando o cenário de onde vocês estão. Qual é o nível de desempenho que o colaborador precisa ter, o que ele busca para a carreira dele e quais as ações planejadas que ele vai precisar.

Um software de RH é importante nesse momento para automatizar e unir informações importantes do ciclo de vida desse colaborador, desde a parte técnica até a produtividade dele.

A partir disso, a engenharia de cargos também pode ser usada para identificar as competências que precisam existir para que o colaborador atinja outros cargos dentro da organização.

Feito isso, é importante definir objetivos para utilizar o PDI para que ele realmente funcione. Por que fazer? Onde você quer chegar? Converse com o colaborador para saber o que ele espera da empresa e dele mesmo. Quais são os propósitos da empresa para ele? Estão claros?

Se neste PDI você identificar que esse colaborador precisa melhorar na comunicação interna, é preciso dar ferramentas para essa melhora, indicar o que deve ser feito e dar prazos para que isso aconteça. Assim, o colaborador consegue entregar a tarefa e melhorar, caso seja da vontade dele e em contrapartida, a empresa oferece todo o suporte necessário e a chance de evolução.

No momento de definir as metas e estratégias, é importante definir também a periodicidade que isso vai acontecer. Será uma vez por mês? Bimestral ou Trimestral?

É importante ter isso bem definido para entender também em qual prazo serão entregues essas competências que precisam melhorar e alinhar as expectativas do colaborador.

Além disso tudo, é imprescindível colocar situações onde esse colaborador vai exercer as competências que você procura, sejam as boas ou as ruins, que ele ainda precisa desenvolver. Se por exemplo for – melhorar a oratória – , é importante colocar o colaborador para apresentar, treinar, falar em público. Coloque a competência em prática no dia a dia do colaborador.

Uma gestão de sucesso encara o capital humano como prioridade, ou seja, desenvolve os seus colaboradores. 

Esperamos que você tenha entendido como fazer um PDI e suas vantagens para a empresa e consiga aplicar!

Compartilhar conteúdo

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

AGENDAR DEMONSTRAÇÃO

CANDIDATO: ESSE FORMULÁRIO É SOMENTE PARA EMPRESAS.