Saúde mental no trabalho: atitudes para a empresa

Apesar de muito falada, a saúde mental no trabalho se tornou um desafio gigante para funcionários e empregadores de 2020 para cá. Em meio a uma pandemia no mundo todo e mudanças na dinâmica do trabalho, todo mundo precisou priorizar a saúde mental para manter a produtividade e prevenir o esgotamento. 

A saúde mental no trabalho é definida pela OMS como “um estado de bem-estar em que o indivíduo está ciente de suas próprias habilidades, pode enfrentar as tensões normais da vida, pode trabalhar de forma produtiva e é capaz de contribuir com a sua comunidade”.

A pergunta que muitos tem é: qual o papel da empresa na saúde mental dos funcionários? Qual é o suporte que deve ser dado e o que estão pedindo?

Com base na Pesquisa da Oracle, a Incerteza Permanece, a Ansiedade e o Estresse Atingem um Ponto Crítico no Trabalho, feito com mais de 10 mil profissionais da área de gestão e rh revela que:

  • Problemas de saúde mental no trabalho afetam a vida doméstica
  • Os funcionários querem ajuda – e muitos preferem a tecnologia em vez do seu gerente
  • Os funcionários esperam que suas empresas façam mais para apoiar sua saúde mental

“O estresse no local de trabalho e as implicações relacionadas à saúde mental não são um fenômeno novo. Acontece que foi necessário um novo coronavírus para chamar a atenção para outra crise global da força de trabalho – a saúde mental dos funcionários.”

O novo normal, com home office, reuniões virtuais e medo de perder o emprego, bagunçou ainda mais a conexão emocional com o trabalho, tornando essa pauta ainda mais urgente no país.

Em mais uma pesquisa, conduzida pela Vitalk com 420 pessoas, praticamente metade dos profissionais nunca falou sobre saúde mental no escritório. “Há muitas ações que podem ser feitas, mas nada será efetivo se a empresa não se posicionar para criar um ambiente de segurança psicológica.” 

Alguns problemas acabam ocorrendo antes mesmo do desenvolvimento de doenças psiquiátricas, porque mesmo o estresse sendo considerado algo normal, pode ser a causa do comprometimento da força de trabalho. Por isso, é tão importante a empresa se atentar aos sinais de sobrecarga e de esgotamento. 

O que entendemos como doenças mentais, propriamente ditas como: depressão e ansiedade estão associadas ao afastamento e a perda de produtividade – tão temidas pelas empresas. 

Alguns números da CDC são bem preocupantes:

  • A depressão interfere na capacidade de uma pessoa de completar tarefas físicas em cerca de 20% das vezes e reduz o desempenho em cerca de 35% das vezes;
  • Apenas 57% dos funcionários relataram depressão moderada e 40% dos que relataram depressão grave receberam tratamento para controlar os sintomas.

Esse último ponto acontece por vários problemas: dificuldade de acessar um médico psiquiatra sem ter um plano de saúde e a dificuldade de priorizar a sua saúde mental.

Ainda para as empresas, as pesquisas mostram que depois de levar outros riscos à saude como tabagismo e obesidade em consideração, esses funcionários com alto risco de depressão tiveram os maiores custos de saúde durante os 3 anos.

Os programas de promoção à saúde dentro do ambiente de trabalho podem ser muito bem sucedidos se forem feitos de forma certeira, evitando licenças e absenteísmo, que causa grande impacto produtivo e financeiro para a empresa. Todas essas medidas de proteção devem ser vistas como investimento e não gastos desnecessários. 

Existem ações que são muito efetivas e podem ser implementadas sem muito esforço:

  • Aproveitar as estruturas de comunicação da empresa, falando mais sobre esses assuntos e trazendo palestras para esses dias;
  • Programas e políticas que devem vir de equipes de gestão para mostrar autoridade e a preocupação do negócio;
  • Disponibilidade de ferramentas de autoavaliação de saúde mental a todos os funcionários;
  • Exames clínicos gratuitos para depressão, seguidos de feedback direcionado e encaminhamento clínico, quando apropriado;
  • Plano de saúde com nenhum ou baixo custo direto para medicamentos para depressão e aconselhamento de saúde mental;
  • Treinamentos focados em comportamentos para a melhoria do estilo de vida;
  • Distribuição de materiais didáticos a todos os funcionários sobre os sinais e sintomas de problemas de saúde mental, bem como as oportunidades de tratamento;
  • Rodas de conversa que abordam técnicas de gerenciamento de depressão e estresse, exercícios respiratórios, atenção plena, yoga e meditação;
  • Espaços tranquilos para atividades de relaxamento;
  • Treinamento aos gestores para ajudá-los a reconhecer os sinais e sintomas de estresse e depressão nos membros da equipe, encorajando-os a buscar ajuda de profissionais qualificados em saúde mental;
  • Oportunidades de participar de decisões sobre questões que afetam o estresse no trabalho.

A saúde mental é para a vida, não só no ambiente de  trabalho. Porém, em âmbito corporativo é importantíssima para que a empresa possa aproveitar o máximo de produtividade e satisfação dos seus colaboradores.

Para ajudar, tudo começa com bem-estar (que passa pela ergonomia no trabalho), qualidade de vida e uma boa assistência médica, para que os empregados da sua empresa tenham acesso a profissionais de alta qualidade, com o objetivo de promover e cuidar da saúde antes do processo de adoecimento que é custoso para a empresa.

Compartilhar conteúdo

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

AGENDAR DEMONSTRAÇÃO

CANDIDATO: ESSE FORMULÁRIO É SOMENTE PARA EMPRESAS.