Os profissionais não trabalham só por dinheiro!

É claro que o salário é importante, mas não é tudo quando o assunto é carreira profissional. Muitas pessoas não pensam duas vezes antes de deixar seu emprego, ainda que para receber um pouco menos, se vislumbrarem perspectiva de crescimento na nova empresa e, sobretudo, se sentirem que o clima organizacional favorece não só a produtividade, mas estimula o desenvolvimento de todo o seu potencial. Afinal, os profissionais não trabalham só por dinheiro. Estão cada vez mais atraídos em encontrar no ambiente corporativo valores como qualidade de vida, respeito e reconhecimento para a sonhada realização profissional.


Preocupada com a satisfação dos colaboradores, a Century Estofados montou um cronograma com atividades para 2019 que mobilizarão os cerca de 240 funcionários de todos os setores da fábrica. A ideia é fomentar o senso de pertencimento na empresa, bem como integrar e alinhar colaboradores e gestores. 


“Promovemos o Carnaval Century com premiações aos funcionários, que aderiram em peso e vieram fantasiados. Em comemoração ao Dia da Mulher, os gestores entregaram rosas e recitaram poesias para as colaboradoras. Também realizaremos a Festa Junina e outros eventos e programamos uma série de novidades, que não podemos antecipar neste momento”, diz Rivelino Roberto de Souza, gerente de Recursos Humanos da Century. 


Outra iniciativa que objetiva levar qualidade de vida e saúde aos funcionários é a parceria com um grupo de corrida para estimular a prática do esporte. “É possível desenvolver ações simples, que não demandam grandes investimentos, mas que têm boa repercussão na qualidade de vida e na satisfação dos colaboradores. Basta querer.” 


A economista e psicóloga Isla Gonçalves, também mestre em Psicologia Organizacional, docente, consultora e palestrante, destaca que na política de valorização dos colaboradores – visando melhora no clima organizacional e (barra) ou na definição de um sistema de gratificação – o profissional tem que se sentir importante. 


Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem


O psicólogo Abraham Maslow (norte-americano) criou a Teoria das Necessidades Humanas (define as necessidades pessoais e profissionais). No centro da pirâmide está a autoestima. As pessoas precisam se sentir importantes dentro da empresa, se sentir atuantes e que o seu trabalho faça sentido no contexto”, reforça Isla Gonçalves. 



Reflexos positivos


Ela tem razão. O sentimento de satisfação afeta diretamente a motivação, o engajamento e o desempenho dos colaboradores, que por vez refletirá na produtividade, na rentabilidade da empresa, bem como na redução do turnover, absenteísmo e na atração e retenção de talentos. 


Um estudo conduzido por Sonja Lyubomirsky, da Universidade da Califórnia, revelou que um trabalhador feliz é, em média, 31% mais produtivo, três vezes mais criativo e vende 37% a mais em comparação com outros. 


Rivelino Souza diz que ainda é prematuro mensurar em números os reflexos das ações de valorização dos colaboradores, mas afirma que as melhorias são perceptíveis no clima organizacional. “Alguns ex-funcionários nos contataram interessados em retornar à empresa, pois sabem que estamos numa vida diferente.”


Diane Carolina Marshall, 25 anos, trabalha no setor de preparação de costura da fábrica, e confirma a melhora no clima organizacional. “É uma empresa que se preocupa com os funcionários. Me sinto valorizada.” 


Entre as iniciativas que “deixam os funcionários mais felizes”, Diane elenca o “casual day” – um dia no mês em que os colaboradores estão dispensados de usar o uniformes. “Melhora o clima e ajuda a entreter, a sair da rotina, tirando o foco da mesmice. É muito legal.”

Segundo ela, as ações aproximam e integram os colaboradores, o que deixa o clima mais alegre e cooperativo. “É excelente trabalhar aqui.” 


Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem


Monitoramento do clima


Para medir o nível de satisfação dos colaboradores, a Century Estofados usa um módulo específico do RH Gestor, um software de gestão de dados da área de RH, que ajuda a identificar os pontos fortes, deficiências, expectativas e aspirações dos mesmos. 

Melhora a comunicação intraorganizacional, permite traçar em que grau os diferentes aspectos do clima organizacional estão interferindo na satisfação dos trabalhadores e prevenir ou intervir rapidamente em situações de conflitos e que podem influenciar negativamente no fluxo de trabalho.


Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem



Elaine Ogasawara, Jornalista da VP SOLUÇÕES.